Retorno do intervalo do Jornal das 20h00 com Bete Iris

0
374

[Fim do Intervalo]

BI: – Estamos de volta com a transmissão ao vivo da pesagem do país Nova Viena direto da ONU com a tradução simultânea da nossa jornalista Laila Buganvílea.

BI: Tem um chanceler se aproximando da Balança. 

LB: Ele está pedindo para que desliguem o celular. Não sei se é o chanceler Philipe.

LB: O chanceler está fazendo sinal; parece que está escutando pessoas falando no celular. Ele se aproxima do microfone. Vamos ver o que vai falar… Está pedindo para as pessoas desligarem o celular porque precisa de silêncio por pelo menos cinco minutos. “Acreditem. Vocês irão sobreviver neste pouco tempo sem seus aparelhos”, disse ele. Os jornalistas e os convidados começaram a rir.

BI: Pela entrevista do chanceler Pedro Costa mais cedo, acho que estão autenticando os pesos. É isso Laila?

LB: Acredito que sim. Eles já auferiram os pesos em outra balança. Há quatro pesos ali e agora estão assinando um documento.

Cerimonialista: Senhoras e senhores, estão presentes na pesagem os chanceleres auditores: chanceler Manoel Vasconcelos, de Portugal, e chanceler Ethan Scott, da Inglaterra. Também presente o chanceler sênior convidado de Moçambique, Adili Souza; o chanceler Philiphe Ferry, o chanceler do Conselho dos Chanceleres de Haia, o senhor presidente da Assembleia Geral da ONU e o senhor secretário-geral das Nações Unidas.

Laila Buganvílea: Vai começar agora.

Chanceler Philipe Ferry: Senhor Presidente da Assembleia Geral da ONU, senhor secretário-geral das Nações Unidas, senhor presidente do Conselho dos Chanceleres de Haia, doutores chanceleres, senhoras e senhores, jovens Chanceleres Mirins e jornalistas aqui presentes, vamos à pesagem de Nova Viena. Sei que estão ansiosos, mas, antes da pesagem, gostaria de dirigir algumas palavras aos chanceleres que estão deixando a ONU e aos chanceleres mirins que estão chegando.

Fizeram um grande trabalho. Lutaram muito para chegar aonde chegaram, mas é preciso continuar lutando para que seu país não perca as conquistas que o trouxeram até este momento. Chanceleres Mirins, o trabalho agora está nas mãos de vocês. Vocês tiveram grandes exemplos do que os chanceleres anteriores fizeram e conquistaram em Nova Viena. Viram o que deu certo e o que não deu. Então, mesmo que alguns desejos não tenham tido êxito, continuem lutando por seu povo e seu país.

– Lembrem-se do que o chanceler do Conselho dos Chanceleres explicou?  De 01 a 100, estarão na lista dos países menos desiguais juridicamente; acima de 101, entram para a lista dos países com mais desigualdade jurídica. Especialmente hoje, não se preocupem com o ranking a que seu país chegará. Mesmo que passe do centésimo primeiro, ainda assim terá sido uma grande vitória.

Devo lembrar que o país sofreu algumas penalidades. Os chanceleres da África recorreram e conseguiram diminuir o peso das penalidades. Esse recurso já foi a julgamento e decidiu-se que a penalidade ficaria em 250g de Lei. Ou, seja, 250g de peso em ouro.

Esta balança é pura ciência. Apresenta cálculos matemáticos na parte digital que faz a diferença na pesagem. Por este motivo, calibramos a balança com dez decisões de igualdade jurídica. Foi auditada e todos aqui presentes assinamos um termo, confirmando as informações passadas pelos chanceleres auditores.

Pela listagem que temos a nossa direita, vocês sabem que neste momento estão na centésima sexagésima quarta posição. Não se preocupem com o peso que vai aparecer na balança, pois devo lembrar que todos os países já foram pesados e alguns obtiveram êxitos e também caíram no ranking. Assim que pesarmos, colocaremos a informação no sistema e toda a lista vai mudar. Então, é para esta tela que vocês devem olhar.

Vamos começar a pesagem. A balança está calibrada com 1k de Lei. Agora, à direita, colocaremos 1k de Lei em ouro. Vamos ver se ela fica equilibrada.

LB: Os chanceleres mirins estão olhando a balança e confirmando com a cabeça que está equilibrada. Nossa! Até eu estou ansiosa.

CPF: Ok. Vamos iniciar com a penalidade que o país sofreu por desigualdade jurídica. O auditor já pesou os 250g de Lei em ouro. E vamos colocá-la ao lado esquerdo da balança em desfavor do país.

LB: Hum, não gostaram do resultado não.

CPF: Agora vamos pesar 750g de lei em peso de ouro em favor do país. Temos um peso de 250g e outro de 500g já auditados pelos chanceleres. Vamos colocar os 250g de peso ao lado direito primeiro e por fim os 500g de Lei em peso de ouro.

LB: Eles estão se abraçando, já olhando para a tela de todos os países que foram pesados. Vemos ali o chanceler fazendo uns cálculos com a caneta e sorrindo.

BI: Se eu aqui estou aflita, imagina os Chanceleres!

LB: Agora, sim, será inserido no sistema. Vamos aguardar. Gente, olha a alegria dos chanceleres! Tem um menino ali, parado, olhando, não acreditando e gritando o nome do chanceler João de Deus. De Deus está mandando ele pular. Olhem que bonito!

BI: Eles ainda não divulgaram a colocação de Nova Viena, mas, pela felicidade deles, deve ter sido boa.

LB: Vai falar o chanceler das Islândia.

Chanceler das Islândia: Senhor Presidente da Assembleia Geral da ONU, senhor secretário-geral das Nações Unidas, doutores chanceleres, senhoras e senhores, jovens Chanceleres Mirins e jornalistas aqui presentes tenho o prazer de anunciar que Nova Viena passa a figurar na lista dos países menos desiguais na posição nonagésimo sétimo lugar.

LB: Olhem a alegria das pessoas. Os chanceleres de Haia… cumprimentando os chanceleres e ex-chanceleres de Nova Viena, com as mãos para o alto, muito parecido com o sinal de aplausos usado por mudos.

BI: Que lindo, gente! É um momento especial para esse país que passou por uma guerra e também uma inspiração para todos que estamos assistindo.

LB: Vai falar o Secretário-geral das Nações Unidas. Ele parece estar muito feliz.

Secretário-geral das Nações Unidas: Senhor presidente da Assembleia Geral da ONU, doutores chanceleres, senhoras e senhores, Jovens Embaixadores Chanceleres e jornalistas aqui presentes, este dia vai ficar na história da ONU. É um dia memorável!

Lembro-me de estar presente quando os ex-chanceleres entraram nesta casa pela primeira vez para participar da Olimpíada da ONU, fomentada por nossas Fundações Parceiras. Eram tão pequenos e estavam tristes pela situação de seu país, mas tinham garra e vontade de vencer a Olimpíada de Desenvolvimento de Estudantes dos Países Pobres. Eles vieram, viram e venceram!

Da Agência da ONU em que eu trabalhava, acompanhei o desempenho desses chanceleres junto ao seu país e posso afirmar que a luta por Leis mais igualitárias deixou os parlamentares de Nova Viena intimidados. Esses jovens conseguiram recolher 5 milhões de assinaturas para mudança da constituinte de seu país. Nova Viena tem um pouco mais de 13 milhões de habitantes. Os chanceleres passaram a ser a pedra no sapato dos parlamentares.

Doze anos se passaram. Vocês cresceram, alguns já estão formados, outros se formando, alguns seguindo o caminho de Haia e outro se tornou embaixador de seu país. Douglas Moura, ou melhor, embaixador Douglas Moura, esperávamos que seguisse conosco na árdua e longa caminhada da ONU. Conversamos muito sobre o assunto e você acabou escolhendo representar seu país por considerar que neste momento seria mais útil na diplomacia, no intuito de buscar boas parcerias para Nova Viena. Quero lhe dizer que a ONU estará de portas abertas, caso um dia queira voltar para esta casa. O Embaixador, em suas falas hoje, disse o quão grato é por estar vivo, livre e em seu país e mencionou a situação dos refugiados. O que ele não contou foi que Nova Viena recebeu 7 mil refugiados e 580 crianças órfãos. Obrigado, Embaixador! Apesar de não estar mais nesta casa, sinto como nunca tivesses saído. 

LB: Momento emocionante! O Secretário agradecendo ao ex-chanceler e atual embaixador de Nova Viena. Intervalo de dois minutos. O Secretário vai continuar o discurso; está conversando com presidente da Assembleia Geral da ONU.

BI: Pelo que deu para perceber, Helena, o atual embaixador intercedeu para que Nova Viena recebesse os refugiados.

HF: Acredito que sim. Apesar das críticas à ONU, há um lado empolgante que contagia as pessoas: o fato de tornarmos o mundo um lugar melhor para se viver. Por outro lado, temos também a situação em que a ONU ajuda, mas, lá na frente, cobra um preço aos países. Não sei se foi essa a situação. De qualquer forma, olhando para a situação triste dos refugiados, tendo países fechando suas fronteiras, Nova Viena receber 7 mil refugiados e 580 crianças órfãos é quase um milagre.

LB: Agora ele vai anunciar Nova Viena oficialmente para o mundo.

Secretário-geral das Nações Unidas: Senhoras e Senhores, senhor Presidentes dos países aliados da ONU, anuncio que Nova Viena tem segurança jurídica e segurança econômica para novas parcerias. Há espaço para investimento em todo o país. Parabéns, Nova Viena!

LB: A ONU agora encerra o evento

BI: Pelo que entendi, a ONU está motivando aos países a serem anunciados em vez de serem denunciados? Helena, Thaís, Laila e poeta, temos pouco tempo porque preciso entregar para o Jornal das dez. A Renata Erysimum já está na tela aguardando… oi, Renata, que dia diferente para o Brasil e para o Mundo!

Renata Erysimum: Foi um dia inesperado e muito inspirador pelo que já assistimos. Bete, antes de você passar para os comentaristas, eu queria dar uma informação a vocês, que saiu na CNN. Um jornalista publicou que o Brasil havia sido avisado pela Chancelaria das Américas que poderia ser denunciado. Nós ainda não confirmamos esta informação, mas, se pensarmos bem, seria impossível o Brasil não ter sido notificado desta possibilidade.

BI: Concordo com você, Renata. Pode ser que o Brasil não soubesse como funcionava ou até mesmo, por ser a oitava economia do mundo, não tenha dado importância. Fala, Thaís.

TF: Enquanto vocês estavam conversando, eu estava enviando mensagens para a Bete Passare e ela acabou de me responder. O Brasil ficou em centésimo quadragésimo segundo lugar na listagem final. E pelo que entendi se o Chanceler Philipe não conseguir recorrer das penalidades, o Brasil poderá ser denunciado. A Bete pediu para avisar que, dentro de alguns minutos, ela vai entrar no ar ao vivo com o chanceler Philipe Ferry para uma breve entrevista.

BI: Poeta, o que você achou desse projeto da ONU?

Poeta: Olha, eu não sei se esse projeto vai dar certo e também até que ponto ele será contestado principalmente pelos países que têm poder de veto dentro da ONU. Uma coisa que notei é que o membro representante da Turquia, que tem cadeira permanente, retirou-se quando saiu a listagem. É uma pergunta para a Bete Passare.

BI: Fala, Helena.

HF: Antes de falar sobre o resultado da ONU, preciso dizer aos nossos assinantes. Gente, o Brasil não foi denunciado e muito menos deixou de ser a oitava maior economia do mundo. Os usuários das redes sociais precisam diferenciar jornalismo de verdade dos sites que publicam notícias falsas. Tem muita gente compartilhando notícias inverídicas sobre o Brasil e o evento da ONU. Quanto a esse projeto, concordo com o Poeta. A ONU tem um problema sério com os países que têm poder de veto. E também fiquei curiosa no que se refere ao membro da Turquia ter se retirado. Vamos aguardar.

LB: Eu fiquei impressionada com o projeto. Se pensarmos bem, o Chanceler das Islândia tem razão quando falou que era inconcebível que um país esteja entre as oito ou vinte maiores economias do mundo e tenha tanta desigualdade social. Não faz sentido e não tem lógica ele estar nessa posição. E eu me lembrei muito da Índia no pronunciamento dele.

[Início do link ao vivo com a Bete Passare]

BI: É verdade, Leila. Temos a Bete Passare no link … Bete, está me ouvindo?

BP: Estou sim. Enquanto o chanceler Philiphe Ferry termina de dar uma entrevista para o New York Times, vou responder algumas perguntas para vocês. Poeta e Helena, o representante da Turquia se retirou porque o país foi duramente penalizado pelo Conselho dos Chanceleres de Haia pelas prisões ocorridas em julho de 2016 após o “suposto golpe”. Segundo alguns chanceleres com quem tive oportunidade de conversar, não se pode prender as pessoas sem causa provável, baseado em suposições. Haia está denunciando a Turquia na ONU e também à Corte Internacional. Lembramos que a Turquia é membro Fundador da ONU e isso causa mal-estar diplomático e problema para o secretário-geral das Nações Unidas. O Chanceler não vai falar conosco sobre a Turquia, ele já conversou com o Guto Cachos sobre o assunto.

BI: Nossa! O Guto Cachos já falou com o Chanceler? Danado!

BP: Conversou com ele, sim. É a área do Guto e o chanceler passou algumas informações que o Guto vai explicar amanhã no Clube em PautaRenata Erysimum, o Brasil foi notificado sobre as penalidades, sim. Segundo o chanceler Pedro Costa, o Brasil não deu importância por desconhecer os métodos usados pelo Conselho de Chanceleres. Ele acredita que agora o país terá mais interesse em conhecer como funciona o projeto.

Gente, o chanceler está chegando aqui junto com o Guto Cachos. Ele não vai colocar fones no ouvido. O chanceler prefere que vocês me repassem as perguntas… chanceler Philipe, primeiro quero agradecer pela credencial; me senti muito honrada em assistir de dentro da ONU a este projeto. Chanceler, como fica a situação do Brasil depois da pesagem de Nova Viena?

CPF: O Brasil está em uma situação complicada e precisa fazer alguns ajustes para não chegar em situação de denúncia. A Alta Corte precisará me dar um entendimento jurídico que seja igualitário para que, no dia do julgamento das punições, eu possa recorrer dessas penalidades.

BP: Que tipo de entendimento jurídico igualitário? Seria voltar atrás na decisão réus poderem ocupar a Presidência da Câmara e do Senado?

CPF: Essa situação é vergonhosa; o brasileiro não gostou e se sentiu desprestigiado pela corte na Arguição de descumprimento de preceito fundamental (ADPF40). Como um deputado ou senador réu podem ter vantagens sobre outros deputados e senadores que não são réus? Todos os parlamentares foram eleitos pelo povo em busca de uma legislação mais justa. Essa é a questão mais grave que vejo nessa decisão da Alta Corte. 

BP: Pode falar, Bete Iris. 

BI: Bete, eu gostaria de saber do chanceler se a punição maior foi pelo desacato do ministro e também que outras punições o Brasil sofreu.

CPF: O deboche do senador desagradou todo o Conselho, que viu uma desigualdade jurídica e um escárnio com a população brasileira. Se fosse ele um cidadão comum, seria preso. As outras penalidades sofridas juridicamente pelo Brasil têm relação com o entendimento jurídico e penalizações diferentes quando se trata de processos tipicamente semelhantes. A Alta Corte corrige os entendimentos, mas a Justiça brasileira é muito lenta. E essa demora prejudica tanto o réu como o autor em todas as instâncias, seja ela na área civil ou penal.

BP: Bete Iris, eu vou fazer uma pergunta para o chanceler sobre um projeto de Nova Viena para pessoas que cometem pequenos delitos, que está sendo muito elogiado pela ONU. Chanceler, como é o projeto “Seguindo em frente”?

CPF: O projeto “Seguindo em Frente” visa ajudar e recolocar no mercado de trabalho pessoas que cometam pequenos delitos. Vou dar um exemplo: uma pessoa é presa em flagrante roubando um supermercado. Ela é detida e levada à delegacia. Após a lavratura do auto tipificando o crime – nesse exemplo, furto em flagrante sem porte de arma -, a pessoa aguarda em prisão temporária sua audiência com o Juiz. Essa audiência ocorre em dez dias no máximo.

Nesse tipo de delito, é comum o Juiz punir o indivíduo com uma sentença de 18 meses a 3 anos de condicional em regime aberto, desde que ele cumpra as regras propostas pelo Poder Judiciário e o pelo Estado. Ele precisa trabalhar em algum projeto público do Governo, como horta comunitária; o réu trabalha, almoça e depois precisa participar de um curso de capacitação realizado no mesmo local. No fim do dia, ele recebe uma diária simbólica e uma bolsa com legumes e hortaliças. Se, durante a capacitação, ele arranjar emprego, informa ao seu supervisor de condicional, que posteriormente informa o Juiz que o julgou. A cada seis meses de trabalho, a pena dele é reduzida. Embora furto seja crime, essa visão jurídica de Nova Viena trouxe mais dignidade às pessoas que roubam por desespero ou até mesmo por vício. Lembrando que cada caso é um caso e, se o infrator reincidir no crime, vai para o regime fechado.

RE – Bete Iris, eu gostaria de fazer uma pergunta ao Chanceler.

BI:  Bete Passare, a Renata tem uma pergunta para o Chanceler.

BP: Estou ouvindo… pode falar.

RE: Nova Viena é um país pequeno. O chanceler acredita que esse tipo de projeto daria certo no Brasil, com alguns Estados em situação tão crítica? E, sobre a punição, além de um novo entendimento da ADPF40, qual outra decisão igualitária a Alta Corte teria de ceder? Existe algum processo específico?

CPF: Esse pode não ser um momento adequado para implementação de um projeto novo que precisa de parceria do Poder Judiciário e dos Estados, mas acredito que, com boa vontade e apoio da sociedade, um projeto parecido possa dar certo. Existem algumas decisões que interessam ao povo brasileiro, mas essa parte eu vou deixar para falar na entrevista que vou conceder à Bete Passare em Genebra, na Chancelaria das Américas. Agora, preciso descansar e voltar para casa.

BP: O Chanceler está cansado. Ele chegou hoje de Haia e veio direto para ONU para preparar a pesagem de Nova Viena. Obrigada, Chanceler; nos encontraremos na próxima semana.

CPF: Boa noite a todos e não deixem de assistir ao projeto que vou realizar com a Bete Passare.

BP: – Nos encontraremos em breve Chanceler. Obrigada!

BI: Bete, a Chancelaria das Américas é em Genebra? Pensei que fosse em Haia.

BP: – São duas Chancelarias das Américas. Uma fica em Haia, onde o chanceler recebe ministros da Corte e juristas de todos os países das Américas, e outra fica em Genebra, onde ele fundamenta suas pesquisas junto com outros chanceleres.

TF: Bete Iris, antes de você entregar para a Renata Erysimum, primeiro eu preciso dizer que o Chanceler é lindo. E também gostaria de pedir à Bete para chamar o Guto que está ao seu lado porque tenho uma pergunta que não quer calar: Guto Cachos, você se meteu na matéria da Bete Passare?

GC: A Bete Passare foi muita generosa comigo. Ela é grande inspiração para todos os correspondentes internacionais. Eu vim para assistir ao documentário e à pesagem de Nova Viena. Quando vi o membro da Turquia se retirando após a listagem dos países, passei uma mensagem para a Beth. Eu precisava muito falar com o chanceler. Então, a Beth me chamou para o local onde o chanceleres iriam sair para falar com os jornalistas. Enquanto o chanceler das Islândia conversava com os jornalistas o chanceler Philipe me passou algumas informações. Obrigado, amiga jornalista!

BP: Um jornalista sempre ajuda outro colega. Thaís Freya, o chanceler realmente é muito bonito. Ele á alto e tem olhos muito brilhantes.

RE: Bete Passare, nossa equipe também queria fazer perguntas ao chanceler, mas não deu tempo. Que projeto é este que você vai fazer com o Chanceler e quando irá ao ar?

BP: Vai demorar um pouco porque o Chanceler me pediu para fazer uma espécie de documentário em episódios. Ele quer que a sociedade brasileira participe. E para que isso seja possível, o link será direto da Chancelaria das Américas. Em alguns episódios, ele vai propor debate. Nós teremos algumas exclusividades em alguns episódios, em outros não. Eu vou passar a programação dos episódios para vocês.

BI: Obrigada, Bete Passare!

BP: Até breve!

[Fim do Link com a jornalista Bete Passare]

BI: Entrego agora para o Jornal das dez. Obrigada a todos que participaram do Clube em Pauta. Renata Erysimum, agora é com vocês. Boa noite!

Direitos reservados a Elaine Paiva

Nota de Elaine Paiva:

Em tempos de era Trump, que tenta cercear os jornalistas nos Estados Unidos, nada como fazer algo inspirado em nossos jornalistas. Adoraria fazer o Boechat, mas seria impossível porque ele é único. Fazer o Marcelo Resende dando a notícia poderia ficar desrespeitoso. Então, resolvi seguir com as meninas (o furão e o poeta) que são os jornais a que mais assisto e com os quais tenho afinidade. Eu não sei se vou ser processada por esta brincadeira, mas preciso dizer. Ser jornalista é muito difícil. “Tem de estar no sangue… tem de estar na Alma”.

O Documentário terá 12 capítulos. Os internautas poderão deixar suas perguntas na página do Projeto Guardião. O chanceler e convidados irão responderão 5 perguntas sobre o Projeto Guardião nos debates:

  1. Episódio: A Balança da Desigualdade (sem debate)
  1. Episódio: Os Meninos da Tijuca; o chanceler falará sobre a interpretação equivocada dos direitos humanos no Brasil. (Com debate)
  1. Episódio: A Cadeira do Conhecimento; o chanceler falará sobre o ministro da Corte que o inspirou a seguir a carreira do Direito. Os Chanceleres Fabrício Meira e Gustavo Talles falam sobre suas experiências na Escola de Chanceleres. (Sem debate)
  1. Episódio: Quando o Estatuto da Criança e do Adolescente se sobrepõe ao Júri; decisão tomada exclusivamente pelo Juiz em Nova Viena sobre um menino que foi ferido por uma bala perdida e ficou paraplégico (com debate)
  1. Episódio: o chanceler das Relações Exteriores, Nicolas Ferry, falará sobre a Previdência de Nova Viena, com a qual a Chancelaria discordou e que deu certo, e a Previdência do Brasil, que ele chama de Previdência dos Excluídos, pois desprestigia os mais pobres (com debate)

Convidados:

  1. Episódio: O engenheiro Marco Aurélio Lousa fala sobre os desafios de tornar Nova Viena em uma cidade sustentável e o aproveitamento de áreas impensáveis para moradia (sem debate)
  1. Episódio: O engenheiro e executivo de bolsas de estudos da Fundação Orbi Institute, Pedro Ferry, fala sobre os movimentos estudantis no Brasil e em Nova Viena. Willian Ferry e Larissa Magalhães falam sobre um novo olhar para o Museu da Aeronáutica (com debate)
  1. Episódio: O Médico da organização Médico Sem Fronteiras, Gilmar de Castro Junior, falará sobre o olhar do pediatra(Sem debate)
  1. Episódio: Os doutores. Homero Sanches e Davi Ferry falam sobre o motivo que levou Nova Viena a liberar a maconha (sem debate)
  1. Luiza Ferry e Graça Farias falam sobre a campanha para o trânsito “E se fosse sua mãe? ” E os engenheiros ambientais, Ana Luz e Thiago Ferry, falam sobre o meio ambiente (com debate)
  1. Lucas e Hélio Luz falam sobre adoção e crianças desaparecidas. Eles desenvolveram o software Guardião. Querem mais rigor nos aeroportos e nas rodoviárias (com debate)
  1. O chanceler, João de Deus, falará sobre a União dos Povos e especialmente sobre a necessidade da União do povo Brasileiro

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here